Via estruturante: a verdade da mentira.

30 de Janeiro de 2010

em Arouca,Autarquia

Na última sessão da Assembleia Municipal, realizada no passado dia 28, os deputados municipais foram surpreendidos por uma informação dada pelo Presidente da Câmara, em suporte escrito:
 «…o Departamento de Concessões da EP nomeou os técnicos que estão a ultimar o processo do concurso; ao contrário do que havia sido prometido pelo governo – tinha prometido que o concurso para Concessão seria lançado em simultâneo com o início do processo de Avaliação Pública do Estudo de Impacte Ambiental do troço do IC35 entre Castelo de Paiva e Arouca (Mansores) – , o concurso para a concessão só poderá ser lançado após o EP obter a DIA (Declaração de Impacte Ambiental) de todos os troços de Concessão, de modo a evitar um dos problemas recentemente levantado pelo Tribunal de Contas em outras concessões que viram recusado o visto por parte daquele tribunal. A Comissão de Avaliação do EIA está já nomeada pela Agência Portuguesa do Ambiente, estando a mesma a estruturar o processo para início da Consulta Pública, que ocorrerá em Arouca e Castelo de Paiva, com finalização previsível no fim de Maio de 2010». 
Mas que articulado tão estranho!
Atente-se no que o mesmo Presidente da Câmara escrevia, na Informação Municipal, em 18 de Dezembro de 2008:
 «Esta obra (IC35), juntamente com o resto da Via Estruturante até à Feira será executada em regime de Concessão, cujo concurso será lançado, segundo informação do Governo, até Junho de 2009».
E com o mesmo propósito e no mesmo registo com a data de 29 de Abril de 2009:
«Via estruturante – Mansores/Feira (IP1) – Processo concluído e em condições de integrar a «Concessão Voug».
IC35 – O projectista atrasou 15 dias o processo – só em 15 de Maio consegue entregar – para Avaliação Ambiental e consequente integração no processo da Concessão Vouga. Aguarda-se que, logo de seguida, o Governo cumpra e que tem vindo a prometer; o lançamento da Concessão».
Junte-se a este imbróglio oficial a demagogia, a manipulação, a propaganda e a mentira que correu na pré-campanha e campanha eleitoral para as eleições legislativas e autárquicas. Factores que condicionaram grandemente os resultados eleitorais. Atente-se:
No início de Setembro, quer o site oficial da Câmara quer o site de campanha do candidato Artur Neves anunciava que «Em despacho com data de 28 de Agosto, o Governo anunciou a abertura do concurso da Concessão Vouga, que inclui a Via Estruturante Arouca/Feira, o IC 35 (entre Penafiel e Mansores), a ligação do nó da Via Estruturante em Escariz até à Zona Industrial do Rossio, a ligação de Vale de Cambra até ao nó de Carregosa
da A32».
 A quase totalidade da imprensa local e até nacional caiu no engodo. Mentia-se à população com um único sentido. Propagandear o PS, os candidatos do PS à Câmara e ao governo da Nação. Sim, porque até num domingo de manhã, veio Sócrates a Arouca anunciar tão importante desiderato. Com pompa e circunstância. Como convinha!
 Até o diário de referência «Jornal de Notícias», em 2 de Setembro de 2009, escrevia «Em 2012 deverá estar concluída a Via Estruturante Arouca/Feira. Acaba de ser autorizado o concurso público para esta e outras vias, reclamadas há décadas, e que custarão mais de 300 milhões de euros.»
 Logo na altura, quer na Câmara quer na Assembleia Municipal, o PSD denunciou tal farsa. Não havia nenhuma abertura de concurso. Por imposição do PSD a verdade (em consonância com o Aviso) ficou inclusive registada em acta da Câmara (número 17), de 1 de Setembro de 2009 «Foi publicado em Diário da República o Despacho Conjunto do Ministério das Obras Públicas e do Ministério das Finanças que determina a abertura do procedimento para a concessão de um conjunto de vias de comunicação estruturantes para Arouca».
 O «semear» da ideia que «agora vai» deu os seus frutos eleitorais numa saga que se confunde com a luta política e política/partidária, que envolve, desde o Ex-Ministro das Obras Públicas, Eng. Mário Lino, que em Outubro de 2005, na campanha para as autárquicas de então gritava, a quatro ventos, num palanque da vila, que a Variante ia avançar a todos o gás, ou pelo então Secretário de Estado das Obras Públicas, Dr. Paulo Campos, que não em campanha, mas também em Arouca, a 8 de Maio de 2006 e 27 de Setembro de 2007 alinhava pelo mesmo diapasão.
 Rui Rio, na qualidade de Presidente da Junta Metropolitana do Porto, enviou uma carta ao governo a recomendar a construção da rodovia, a Câmara e a Assembleia aprovaram em 2009, duas moções e, o actual Presidente da Câmara prometia, já em 2005, continuar uma caminhada, tendo como pano de fundo a famigerada variante. Artur Neves prometeu inclusive, numa Assembleia Municipal, realizada na freguesia de Canelas, fazer greve de fome.
 Com se vê, há de tudo um pouco na procura de uma obra importante que resulta de uma justa reivindicação dos arouquenses. O que não é tolerável é a mentira e o seu aproveitamento em favor de resultados eleitorais que só podem ter sido, desse ponto de vista, falaciosos.

Publicado na edição de Janeiro do jornal «Roda Viva»

PS: As notícias sobre esta matéria conhecidas nas últimas horas são muito tristes. Muito tristes. O  Ministro das Finanças, em entrevista emitida em 28 de Janeiro na RTP,  revelou que o «neste momento entendemos que não há necessidade de lançar mais concursos ou fazer novas adjudicações no domínio da rede viária, porque o que havia a fazer, no essencial, está feito». Este anúncio, segundo Teixeira dos Santos, insere-se num conjunto de medidas tomadas pelo executivo no sentido de reduzir o elevado défice que o país está confrontado.
A concretizar-se este anúncio esta em causa a conclusão da variante que ligará Arouca a Santa Maria da Feira, inserida na Concessão Vouga, cujo concurso estava acometido à Estradas de Portugal e seria lançado durante o primeiro semestre de 2010.

Triste sina a dos arouquenses!

{ 6 comentários… lê abaixo ouadiciona }

1 bc23 31 de Janeiro de 2010 às 11:14

Quero acreditar que não… segundo um esclarecimento posterior todas as concessões já efectuadas, como é este caso, não estarão em causa. Poderão avançar todas as adjudicações de projectos concessionados. Ficam em stand-by as obras não concessionadas… na região temos o caso do IC2/A32 no troço Oliveira de Azeméis – Coimbra.
Após este esclarecimento penso que não está ameçada nem a Feira/Arouca nem o IC35.

Responder

2 C Pinto 1 de Fevereiro de 2010 às 21:19

Depois do Ministro da Finanças ter dado o lamiré, o Ministro das Obras Publicas enterrou hoje, as expectativas que a população de Arouca tinha, em ver concretizada a construção das acessibilidades deste concelho !!!
Realmente os governos PS nunca foram muito justos com o Interior Norte e Centro do país, ficando mais uma vez evidente, que o que conta é a capital e as obras faraónicas.
Do Sr Presidente da Camara não espero que entre em greve de fome, mas apreciava a decisão, de se demitir.

Responder

3 JB 2 de Fevereiro de 2010 às 7:45

Um grande vitória nas eleições de Outubro acabou por ser a mãe das ilusões dos arouquenses.
Uma das obras mais fundamentais para Arouca está a tornar-se cada vez mais uma miragem, parece destinada a ter o seu fim na ponte da Ribeira.
Realmente, Sr. Engenheiro Neves está na altura de tomar grandes decisões perante o governo que tanto lhe mentiu.

Responder

4 Rocha 4 de Fevereiro de 2010 às 8:01

Como refere o bc23, a partida o trço da IC35 e a ligação Feira-Arouca não está assim tão comprometida como o referido nas ultimas noticias dadas.
Sabemos todos que o Eng. Artur Neves é e foi dos presidentes que nos últimos anos tem feiro mais por Arouca….embora tentem fazer com que as pessoas pensem o contrário…
Mas falando no possível não andamento desta concessão, a culpa não é apenas do governo (PS) como se quer fazer as pessoas pensar….em muito essa culpa é também do PSD e do CDS, visto que esta noticia dada pelo ministro das Finanças vem em seguimento das negociações feitas entre os três partidos para o Orçamento de Estado.
Se bem me recordo, todos os candidatos à Câmara Municipal de Arouca prometiam esta Obra…incluindo nestes está o Dr. Paulo Portas…um elemento bem presente na Assembleia da República, que se calhar afinal não defende tanto Arouca como prometeu…pois este foi um dos elementos bastante presentes nas negociações do OE de onde sairam estas decisões…
Quanto ao resultado das ultimas eleições penso que foi esclarecedor…a vitória do Eng. Neves não terá sido apenas devido a promessa da conclusão da Variante….

aguardemos pelo desenvolvimento….se calhar a Obra fundamental não está a tornar-se uma miragem…a ver vamos….

cumps,
JR

Responder

5 Atento 10 de Fevereiro de 2010 às 17:31

E hoje, no parlamento, o Teixeira “dos bancos”, deu a “machadada final” na via! Dixit

Responder

6 Fernando Teixeira 7 de Março de 2010 às 14:05

Dentro de 2 anos a A32 deverá estar em vias de conclusão. A partir daí a necessidade da ligação entre a A29 (Maceda), a A1 (Feira) e a A32 (Pigeiros) é por demais evidente. E nessa altura acredito que a ligação a Mansores (Arouca) virá por arrastamento.

Responder

Cancelar resposta

Responder a Atento:

Anterior:

Seguinte: